Presidente da Tradaq fala sobre a história da empresa

Presidente da Tradaq fala sobre a história da empresa

Em entrevista, o mexicano Jose Rivero, diretor da Tradaq, conta sobre o surgimento da empresa; relata como ela alcançou o crescimento mesmo diante da instabilidade política e econômica do país; e compartilha suas perspectivas otimistas para o ano novo e muito mais. Confira entrevista completa!

 

Como nasceu a Tradaq?

Há alguns anos, eu trabalhei em um banco de investimentos no Brasil. Quando saí desse emprego, uma amiga do México – que conheci na faculdade – me convidou para assessorar a venda da empresa de seu irmão. Ele tinha um negócio novo, mas de rápido crescimento, já com empresários interessados em adquiri-lo. Eu, então, auxiliei nas negociações que resultaram em uma venda parcial. Ao mesmo tempo, fui convidado para abrir, no Brasil, a parte restante dessa empresa. Foi assim que teve início minha história com a Tradaq, que já soma 16 anos.

 

O jeito de fazer negócios no Brasil é diferente do que acontece em outros lugares do mundo?

Sim, pois aqui existem várias particularidades. Fazer negócio em solo brasileiro não é algo para principiantes. A “tropicalização” dá muito trabalho. Você precisa fazer o dever de casa e adequar-se ao regulamento, às burocracias e aos requisitos que circundam a economia do país. Isso é um grande desafio, bem superior se comparado com a realidade de outros países.  O nosso tipo de negócio, no entanto, se sobressai aqui, uma vez que o empresário troca o que tem pelo que precisa. E isso é algo muito forte em solo verde-amarelo.

 

Qual a parte boa de fazer negócios no Brasil?

No Brasil há um mercado gigantesco, empresários criativos e oportunidades de negócios. Implementamos aqui uma ideia que era totalmente nova. Na época, outros quiseram fazer o mesmo, mas quebraram.  Nós fizemos por meio de uma fórmula diferente: entendemos o perfil do empresariado brasileiro, suas necessidades, e adaptamos o negócio tanto à realidade das empresas quanto à do país.

 

Quais problemas foram enfrentados nessa trajetória?

Chegamos muito rápido por aqui, colocamos altas expectativas, e não as alcançamos a princípio. Por causa disso, lá para trás, até cogitamos o fechamento da empresa. Mas resolvemos perseverar: acreditamos que poderia dar certo e deu. Vencemos!

 

Qual é o propósito, a missão da empresa?

Todo negócio tem uma missão, uma função a ser cumprida. A nossa é promover uma comunidade empresarial mais próspera, ajudando as empresas a serem mais ágeis e facilitando negócios entre parceiros. Dentro dessa mesma nuance estratégica, desenvolvemos ações de âmbito social, ambiental e econômico.

Estamos mais ligados às empresas de pequeno e médio porte, que são as primeiras a serem impactadas e a enfrentarem dificuldades devido à instabilidade econômica e política. Fomentar oportunidades de negócios e promover o crescimento para esse público, para nós, é um imenso privilégio e satisfação.

 

Quais são as perspectivas para a Tradaq?

Nós tivemos degraus de crescimento. Com criatividade, ultrapassamos as barreiras problemáticas e achamos o rumo certo. Sem dúvida alguma, estou super confiante para o ano que vem. Mesmo este sendo um ano bem complicado, crescemos cerca de 20%, e queremos repetir os resultados para o próximo ano.

 

A que se deve o crescimento da empresa em um ano de crise?

A permuta é muito mais atrativa na crise porque há falta de dinheiro. De qualquer forma, a crise é ruim para qualquer negócio e, para nós, não foi diferente. Assim, enfrentamos esse cenário transformando nossa maneira de trabalhar, corrigindo nossos erros e implementando mudanças tecnológicas que permitiram a agilidade e o aumento das transações da rede.

 

Qual mensagem de fim de ano você gostaria de deixar para os associados?

A crise, muitas vezes, nos ajuda a priorizar superações e a aprimorar nossos serviços. Essa “dieta” corporativa é um meio de o mercado se tornar mais inventivo e mais forte, promovendo serviços diferenciados, com alta tecnologia e qualidade. É nesse rumo que queremos continuar seguindo nos próximos anos.  Por isso, aproveito para compartilhar meu otimismo em relação ao Brasil, que certamente vai passar a trilhar um caminho de crescimento duradouro. E a Tradaq estará aqui, conectando oportunidades para todos os associados.

A todos, desejo um feliz Natal e um ano novo de oportunidades e sucesso!